fbpx
Seleccionar página

STEAM OU STEAM? O que são e no que se diferenciam?

O que é STEM? Ou STEAM? Se você acompanha o mercado de Educação já deve ter ouvido falar desses termos. Mas, afinal, o que eles querem dizer? Neste blog vamos desvendar o significado e a importância dos dois para as escolas e os alunos. Vamos lá?

A sigla STEM é um acrônimo em inglês usado para designar as quatro áreas do conhecimento: Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática (em inglês Science, Technology, Engineering, and Mathematics).

No contexto educacional, o termo STEM hoje tem a função não só de identificar as quatro áreas, mas também de interligá-las, incentivando a aprendizagem interdisciplinar, com foco na aplicação prática do aprendizado.

robótica educacional

Objetivos e significados do STEM 

O ensino e a aprendizagem STEM carrega consigo a busca pela compreensão e pelo real impacto dessas disciplinas no mundo. Um dos grandes objetivos desse modelo de ensino é preparar os estudantes de hoje para o mercado de trabalho amanhã.

O autor do livro The case of STEM Education (Bybee, 2013) deixa claro que o significado de STEM muda de acordo com o ambiente em que ele é aplicado. Dentro do contexto escolar, o autor considera que a educação STEM deveria contribuir em três frentes principais:

  1. Desenvolver uma sociedade “antenada” e capacitada em Ciências, Tecnologia, Engenharia e Matemática.
  2. Formar alunos e professores que sejam capazes de desenvolver as competências do século XXI dentro de um ambiente escolar integrado.
  3. Gerar uma força de pesquisa e desenvolvimento em STEM voltada para inovação.

Como educador, é importante encarar de forma integrada o ensino do STEM enfatizando: o compartilhamento de conhecimento, a postura perante desafios, a habilidade de identificar perguntas e problemas da vida real, a capacidade de chegar a conclusões baseadas em fatos e evidências. 

Tudo isso de forma conectada, interligando as disciplinas de Ciências, Tecnologia, Engenharia e a Matemática e incorporando esse novo formato de desenvolvimento e aquisição do conhecimento às aulas de forma construtiva e consciente.

Hoje, novos esforços de reforma curricular para a próxima geração estão colocando muito mais ênfase nas quatro disciplinas, principalmente nos Estados Unidos. Isso reforça a grande tendência de implantação de ambientes STEM no Brasil, que já começam a despontar em escolas e instituições de várias regiões do país. Esse é um demonstrativo de que essas escolas estão preocupadas em manter as metodologias de ensino atualizadas e com os olhos nas tecnologias.

 

Quais os ganhos para os alunos?

  • Projetos que interligam as quatro áreas incentivam a motivação e colaboração dos alunos. Exemplos são aulas de linguagem de programação, aulas de Robótica, participação em feiras e olimpíadas de conhecimento, projetos interdisciplinares, visitas a museus, entre outros;
  • A metodologia possibilita uma maior retenção de atenção nas atividades propostas;
  • Transferência da aprendizagem de uma situação para outra;
  • Aprendizado de habilidades essenciais para o hoje e principalmente para o seu futuro;
  • Os estudantes podem alcançar melhores resultados quando são desafiados a colocar a mão na massa para criar, planejar, desenvolver e implementar projetos que possam, de fato, impactar a comunidade em que vivem, sua cidade, país e até mesmo o mundo;
  • Com o aprendizado interdisciplinar, os estudantes tornam-se mais bem preparados para o ensino superior e o mercado de trabalho.

 

Mas e o STEAM?

STEAM é a metodologia que integra a Arte às quatro áreas de Ciências Exatas explicadas anteriormente.

Sabe-se que a educação artística melhora o desempenho acadêmico e ajuda nossos alunos a interpretarem melhor o mundo, e é isso que a metodologia STEAM veio nos provar.

Nesse sentido, devemos entender Arte como disciplina que traz à tona temas como humanidades, linguagem, cultura, arquitetura, literatura, música, dança, cinema, teatro, escultura, design, pintura, animação e fotografia.

É considerada uma metodologia integrada e baseada em projetos, que tem o objetivo de formar pessoas com diversos conhecimentos, desenvolver valores juntamente com os conteúdos abordados e preparar alunos e cidadãos para os desafios do futuro.

A metodologia STEAM tem foco no desenvolvimento de algumas habilidades essenciais para o aluno do século XXI, tais como:

  • Criatividade, imaginação e inovação.
  • Pensamento crítico e resolução de problemas.
  • Comunicação e colaboração.
  • Flexibilidade e adaptabilidade.
  • Habilidades sociais e culturais.
  • Capacidade de lidar com diferentes situações.

 

Como o STEAM se diferencia do STEM na prática?

De maneira bem resumida, podemos dizer que STEM trata de como você faz as coisas, já o STEAM incentiva a descoberta do porquê está fazendo essas coisas.

Com o STEAM, os alunos experimentam e vivenciam o pensamento científico de maneira interpretativa e reflexiva, seja por meio de brincadeiras na Educação Infantil ou em projetos interdisciplinares para turmas mais avançadas.

Em atividades focadas na metodologia STEAM, alunos resolvem problemas, pensam ‘’fora da caixa’’ e se beneficiam de um aprendizado interdisciplinar.

Já o professor atua como um guia no processo de aprendizagem. Ele é responsável por oferecer mentoria e apoio às equipes (viu que aqui o trabalho é feito de forma colaborativa?) e também aprende com esse novo método de trabalho integrado.

 

Porque essas metodologias importam tanto nos dias de hoje?

Em projetos de STEM/STEAM, os alunos começam a desenvolver habilidades de forma mais interativa e autônoma. Constroem, fazem protótipos, criam, solucionam problemas e interpretam suas próprias criações.

Da Educação Infantil ao Ensino Fundamental e Médio, o ensino de STEM e STEAM ajudará os alunos a se tornarem adultos inovadores, com habilidades excepcionais de pensamento crítico e resolução de problemas. Habilidades necessárias para as futuras gerações em nosso mundo cada vez mais impulsionado pela tecnologia.

Importante: É dever da escola de hoje incentivar e treinar essas habilidades em seus alunos. Isso faz parte do que chamamos de Educação 4.0. Saiba mais sobre o assunto nesta publicação.