fbpx

Como explicar a pandemia do novo coronavírus para as crianças

O surto da Covid-19 pode causar impactos emocionais e psicológicos em adultos e crianças. Saiba como abordar o assunto com os menores para diminuir possíveis traumas

A disseminação do novo coronavírus tomou os canais de notícias e é assunto em todas as conversas, principalmente após a confirmação do primeiro óbito pela doença no país. Com isso, aumentaram também as fake news e boatos que podem causar pânico tanto em adultos quanto em crianças e adolescentes.

Os filhos percebem que seus pais estão preocupados e ao ouvirem os mais velhos falando sobre o assunto, em especial os menores de até seis anos, podem ficar agitados e até mesmo criar fantasias pelo medo. 

Não é recomendável mentir ou omitir o assunto. O ideal é amenizar a ansiedade com uma conversa franca, dizendo que é um vírus, como quando ele fica gripado, com diarréia ou vômito. Com tantos boatos circulando, pergunte a criança o que ela já sabe sobre a pandemia, e desminta qualquer informação incorreta.

Tranquilize seu filho, afirmando que ele ficará bem ao mesmo tempo que apresenta alguns passos práticos para a criança reduzir as chances de infecção, como a higienização das mãos, etiqueta da tosse, entre outras. Isso reduzirá não somente a possibilidade de contrair o vírus, mas fará com que elas sintam-se capazes de fazer algo, de ter algum controle. 

Em momentos de stress e crise é comum que crianças busquem mais apego e fiquem exigentes com os pais. Ajude-os a encontrar maneiras positivas de expressar os sentimentos ruins, como medo e tristeza. Convide-o para desenhar, jogar, contar uma história, ou outras atividades criativas. Isso fará com que ele sinta-se seguro para comunicar qualquer emoção perturbadora em um ambiente solidário.  

 

E quanto aos adolescentes? 

Certamente é muito mais difícil convencer uma criança de 14 anos que tudo ficará bem. Os adolescentes tendem a ser mais realistas e céticos do que as crianças menores, têm questões mais complexas e não aceitarão tudo o que você diz de imediato. Eles possuem suas próprias redes de informação e costumam confiar mais em seus grupos de amigos. 

Mas, independente da faixa etária é importante criar um ambiente de diálogo, em que todos possam dizer o que sentem e o que pensam. Isso fará com que você saiba o que se passa com eles e assim ajudá-lo, esclarecendo dúvidas, aconselhando e confortando. 

 

Você também precisa estar bem também

Os mais jovens são influenciados pelos seus pais, se eles sentirem que você está nervoso e agitado, certamente isso irá afetá-los. O bem estar nesse momento é tão importante quanto sua saúde física.

Em caso de isolamento, conecte-se com seus entes queridos por meios digitais. Seus amigos e colegas podem estar passando elas mesmas dificuldades que você, compartilhem sentimentos e experiências, uma rede de apoio pode aliviar a ansiedade e stress do dia a dia. 

Preste atenção nos seus próprios sentimentos e necessidades. Faça exercícios regularmente, mantenha rotinas regulares de sono e comer comida saudável. Procure se informar em horário específicos sobre as atualizações sobre a Covid-19 e em fontes confiáveis, não fique procurando sobre a pandemia toda a hora e em qualquer meio, isso aumentará a sensação de pânico e urgência desnecessária. 

Conscientização é o melhor caminho. Seja com adultos ou crianças, a comunicação é fundamental. Seja um agente de apoio, não espalhe o pânico e preconceitos. A união ainda que de forma não-física é o melhor remédio.