fbpx

Coding na educação

Professores podem aprender e ensinar programação on-line, inclusive durante a suspensão das aulas presenciais

Saber utilizar o pacote office de um computador já foi um diferencial do mercado. O inglês também. Hoje são habilidades obrigatórias e fazem parte da maioria das grades das escolas por todo o País. Mas, a próxima – e talvez não tão distante – exigência seja entender de coding e por isso, esse é um dos temas em alta no segmento educacional.

O coding em português significa codificando. “Em todo o mundo existem as mais variadas linguagens para se comunicar. Alguns países falam português, outros francês… ainda é possível que hajam dialetos. Os surdos-mudos também possuem uma linguagem própria. Com a tecnologia não é diferente e o coding é justamente isso: a linguagem das máquinas”, explica Tiago Cauassa, professor de robótica educacional na ControlBot.

 

LEIA TAMBÉM ‘A PROGRAMAÇÃO NA PREVENÇÃO DA COVID-19’

 

Novos computadores são desenvolvidos todos os dias, cada vez mais avançados, por isso compreender a linguagem que eles se comunicam é essencial para viver e trabalhar nesse novo mundo. “Para compreendermos a importância da programação pense no seu microondas. Nem mesmo ele funciona sem uma programação. Você precisa abri-lo, colocar o alimento, fechar e dar um comando para que funcione. Sem uma ordem isso não acontecerá. Para isso que serve o coding: para aprendermos e ensinarmos como programar máquinas, computadores e robôs”, reforça.

Sem os comandos nenhuma tecnologia pode funcionar. O exemplo mencionado por Cauassa mostra como o coding faz parte da rotina de qualquer pessoa e precisa ser pensado na formação desde os anos iniciais. “Precisamos aplicá-lo dentro da educação para incentivar as crianças desde as faixas etárias iniciais a ter essa afinidade para programar, para querer lidar com as máquinas”, completa.

Além de desenvolver uma habilidade técnica que será valorizada no mercado de trabalho, os alunos desenvolvem outras competências importantes como raciocínio lógico e a criatividade para solução de problemas. “Inclusive essa também é uma maneira de estimularmos as meninas a desenvolverem esses aprendizados, uma vez que são poucos os incentivos para que elas aprendam sobre o tema”, destaca.

Desde 2017, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) considera o ensino do pensamento computacional parte obrigatória do currículo. “Estimular esse pensamento faz com que aprendamos a dividir um problema grande em várias partes menores tornando sua resolução mais fácil até resolvermos ele por completo, por isso o coding vai além do aluno trabalhar ou não com computadores”, conta.

 

“Todas as pessoas nesse país deveriam aprender programar um computador porque isso ensina você a pensar”.

Steve Jobs, inventor e co-fundador da Apple

 

A sugestão de Cauassa é que os professores aproveitem esse período de distanciamento social para aprender um pouco mais sobre o assunto. “Por que não aproveitarmos para entender mais como funciona esse processo de aprendizagem e aprendermos a programar? Quando as aulas voltarem teremos novas habilidades e poderemos repensar a educação também nesse caminho ”, indaga.

POR ONDE COMEÇAR A APRENDER CODING

A sugestão de Cauassa é que os professores comecem aprendendo mais sobre três ferramentas gratuitas: makecode, micro:bit sala de aula e code.org.

Para as duas primeiras, makecode e classroom, é possível a utilização do micro:bit. “O micro:bit é uma placa de programação ideal para ensinar coding. Com ela você programa no computador e transfere a programação para a placa e, assim, a criança consegue fazer várias invenções.”, conta.

No makecode a página inicial traz vários tutoriais para fazer projetos, todos prontos para seguir o passo a passo. Também é possível criar um novo ou importar um projeto do seu computador desde que tenha sido desenvolvido na mesma plataforma. Nesse espaço você pode interagir com a placa micro:bit para fazer a sua programação.

 

ALUNOS DIGITAIS X PROFESSORES ANALÓGICOS

 

Já o micro:bit sala de aula ou micro:bit classroom é um espaço para passar as tarefas e acompanhar o trabalho dos alunos, segundo Cauassa é uma forma de tornar as lições de programação mais produtivas, especialmente nesse momento de distanciamento social.

Ainda é possível utilizar o code.org. “Aqui você vai encontrar um bom exemplo de como iniciar a programação com os menores por meio de blocos coloridos”, completa.

COMO ENSINAR CODING PARA OS ALUNOS

Cauassa reforça que o mais importante é o professor entender que os alunos precisam compreender a essência e a lógica por trás de cada etapa do processo. “Peça, por exemplo, para criarem um passo a passo de como passar a geleia no pão. Alguns escrevem: pegue a geleia e passe no pão. Então você pode pegar o pote que contém a geleia e esfregar no pão, tente executar exatamente a descrição que elas escreveram.

As crianças vão ver na prática que existem vários detalhes que precisam ser descritos. Pegue a geleia, pegue o pão, abra a tampa da geleia, pegue a faca coloque no pote, pegue a geleia, espalhe a faca com geleia na superfície do pão”, exemplifica. Cauassa completa dizendo que isso ajuda com que elas entendam que uma máquina precisa de comandos muito detalhados para executar uma tarefa. “Máquinas podem ser inteligentes, mas tem limitações”, ressalta.

 

“Eu tinha 13 anos quando tive acesso pela primeira vez a um computador. Escrevi um programa para jogar jogo da velha”.

Bill Gates, co-fundador da Microsoft

 

Outra sugestão de Cauassa é a utilização de livros como “Meu primeiro livro de programação”, a partir de 4 anos e o “Inventura”, a partir do Ensino Fundamental. “O Inventura é um livro que já vem com o micro:bit. Ele é na realidade um programa de educação 4.0 para trabalhar com a linguagem de programação e cultura maker”, conta.

Outro ponto que o professor faz questão de destacar é que a programação tem que ser um momento divertido. “Precisamos mais que mostrar só uma tela cheia de códigos para ensinar a programar, é necessário contextualizar. Tornar esse aprendizado legal e dinâmico é fundamental para que a criança goste (ou não) de aprender sobre programação”, finaliza.

Para auxiliar os professores a compreenderem melhor o universo do coding, a Tecnologia Educacional, dentro da iniciativa “Do mundo para a escola”, lança nesta quarta-feira, 29 de abril, a trilha de aprendizado “Code para professores: uma introdução sobre programação”.

As trilhas serão disponibilizadas no nosso canal do Youtube.

Que tal aprender programação? Confira nossa trilha de aprendizado!

Meninas no aprendizado STEM: pesquisa revela a necessidade de incentivá-las nas áreas de ciências e tecnologia

Apesar dos avanços das últimas décadas, a desigualdade entre meninos e meninas nos campos científicos ainda é grande e as instituições de ensino desempenham um papel central nesta questão A primeira mulher a ganhar um Prêmio Nobel foi Marie Curie, em 1903. De lá para...