fbpx

Oficina do Livro traz obras que dialogam com o distanciamento social

por | 26 / jun / 20 | Giro TE

A plataforma traz novas aventuras que inspiram e dão esperança aos estudantes

A Oficina do Livro trouxe duas grandes novidades no mês de junho. O lançamento de dois novos livros contou com um bate-papo com os autores, em uma transmissão ao vivo no Facebook da Tecnologia Educacional. 

Desde o início do isolamento social, causado pela pandemia da Covid-19, os dias têm sido um momento de bastante reflexão e adaptação. E a literatura pode ser uma grande aliada, seja como válvula de escape, seja como uma forma lúdica e inspiradora de continuar o aprendizado dos alunos em casa ou uma oportunidade de aproximar pais e filhos.

Para o roteirista  Ilan Brenman, o consumo da literatura durante a pandemia tem uma explicação, “o ser humano não suporta uma vida sem fantasia e ficção, e a gente busca isso constantemente. Essa busca tem a ver com a estrutura cerebral que sabe que se a gente não tiver fantasia, nós adoecemos. Crianças que não brincam, que não ouvem histórias, têm complicações na sua área cognitiva, dificuldades em sua vida escolar”, pontua. 

Enxergando a importância dos livros na vida de uma criança, a riqueza pedagógica que carregam e a diferença que podem fazer em um momento como esse, levaram a Gerente de projetos da Oficina do Livro, Mariana Godoi a promover duas histórias cujos temas dialogam com o isolamento social. “Com um livro na mão, nós nunca estamos de fato isolado. Com os livros, eu consigo levar meu filho para o fundo do mar, eu consigo levá-lo para o parque. Então, a gente consegue transcender com um livro, pois o mundo da imaginação é muito mais amplo”, conta.

Tendo isso em vista, os dois novos títulos trazem aventuras que farão com que os alunos descubram universos de possibilidades, sem sair de casa.

“Ambas trazem a situação da pandemia, o isolamento social, como nós temos nos preparado para esses dias. Uma mais voltada para a Educação Infantil e Anos Iniciais do Ensino Fundamental e outra para os Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio”, explica Mariana. 

A primeira tem autoria de Ilan Brenman, e conta a história de uma tartaruga que ao perceber a aproximação de uma grande tempestade, decide avisar os outros animais para que juntos possam fazer alguma coisa. Na jornada de avisar os outros, alguns animais acham que é besteira e outros acham melhor se prevenir, pois também estavam vendo as nuvens. No desenrolar da aventura os estudantes podem participar diálogos e conduzindo a história.

“A fábula é super bacana porque podemos falar de muitos assuntos importantes por meio dos animais. Então a criança se sente segura porque, como são os animais e não os humanos, ela pode entrar mais na história”, explica Ilan Brenman sobre a escolha do gênero de “A grande tempestade”.

Para os alunos maiores, “A lista de desejos” de Miguel Mendes explora situações reais do cotidiano dos alunos. “A ideia é que essa oficina seja para crianças mais maduras, jovens. Nesse período de isolamento social, o jovem pode sofrer muito, porque ele está na época de querer descobrir coisas, estar em contato com muita gente, então a situação impõe esse limite. Mas a ideia é que o limite seja transformado em oportunidade de fazer coisas diferentes. Passar um período descobrindo coisas. Essa é uma história que tem o ponto de vista mais positivo”, explica o autor e ilustrador.

Já Mariana conta que o realismo da história foi intencional, “deixamos o mais próximo do dia a dia do aluno para que ele contasse a sua própria história. Um livro que traz uma narrativa mais solta para o aluno, para ele colocar as suas impressões”.

Além de inspirar a criação das histórias, a pandemia também impactou outras mudanças na Oficina do Livro. A Coordenadora pedagógica do Colégio Cidadão do Amanhã, Daiane Lima fala sobre a participação mais ativa dos pais durante a escrita das Oficinas, “ isso é uma novidade, pois as famílias não se envolviam muito na parte interativa da Oficina do Livro. Elas vinham somente receber o livro, nos eventos de entrega. Agora elas acompanham também a parte de produção”, comenta. 

Uma prova de como a aliança entre a literatura e tecnologia podem levar muito além do ensino da escrita e leitura, mas também o estímulo da criatividade e autonomia dos estudantes. Promova uma aprendizagem lúdica por meio da literatura, mesmo a distância.

Veja a melhor forma de utilizar a Oficina do Livro na sua escola:

por | 26 / jun / 20 | Giro TE