fbpx

Ensino adaptativo: o método mais relevante na educação nos últimos anos

por | 11 / jun / 20 | Giro TE

Softwares e ferramentas tecnológicas passam a ser aliadas na promoção de um ensino mais interativo e próximo das necessidades de aprendizagem de cada aluno, especialmente em tempos de suspensão de aulas presenciais

Quantos alunos existem em cada sala de aula? A média é de 29,6 alunos por turma no Ensino Médio e 23 no Ensino Fundamental, os dados são do  Indicador Educacional “Média de Alunos por Turma”, do Censo Escolar de 2019, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Diante desses números cada vez mais se faz o questionamento de até que ponto o professor consegue identificar sozinho as deficiência de aprendizagem ou potencialidades de cada estudante de todas as turmas que leciona em todas as escolas?

Principalmente, durante o período de suspensão de aulas presenciais, já que a distância dificulta esse acompanhamento mais próximo. 

“Além das dezenas de alunos, soma-se a esse ponto a diversidade encontrada em cada uma delas. Afinal, cada estudante apresenta interesses, habilidades, dificuldades e formas de aprender diferentes, diminuindo ainda mais as possibilidades do professor entender e trabalhar de forma mais personalizada”, explica Márcio Faria, gerente de produto da Tecnologia Educacional.

É entendendo esse cenário e a necessidade cada vez mais latente de oferecer aos estudantes modelos de aprendizagem que supram suas dificuldades e estimulem suas  habilidades – e também aos professores ferramentas que permitam entender melhor as especificidades de cada aluno – que o ensino adaptativo cresce e dá para a educação uma nova cara, mais tecnológica, atraente e efetiva.

“A educação adaptativa entende a necessidade de cada aluno e oferece a ele novas formas de aprender, formas mais alinhadas com as características de cada um. Aqui o ritmo de cada aluno, as dificuldades e as individualidades são respeitadas, garantindo que todos atinjam o objetivo proposto, mas cada um ao seu modo”, conta.

 

“O aprendizado adaptativo ou adaptative learning, em inglês, busca justamente customizar o ensino de acordo com as particularidades de cada estudante se apoiando em soluções tecnológicas”.

 

Na outra ponta, o professor também é considerado ao ganhar uma ferramenta poderosa para entender onde estão as deficiências de cada turma e de cada aluno, o que permite com que ele planeje melhor suas aulas e retome os pontos que precisam ser melhor trabalhados de forma coletiva ou individual.

APRENDIZAGEM ADAPTATIVA NA PRÁTICA

Na essência, a aprendizagem adaptativa transforma a abordagem pedagógica em relação a um aluno com base nas informações que ele próprio forneceu diante de perguntas predefinidas. 

A metodologia, testada e comprovada, tem se consolidado com o crescimento e acesso da inteligência artificial. 

Esses recursos permitem a criação de diferentes trilhas ou mapas de evolução para cada estudante. A formatação do caminho a ser seguido dentro de uma disciplina e o próprio ritmo da jornada de conhecimento são determinados pelo desempenho do próprio usuário.

Isso porque, com a criação de ferramentas tecnológicas se torna muito mais rápido e dinâmico produzir uma série de estatísticas e oferecer em tempo real soluções mais adequadas a este aluno de acordo com seus interesses e dificuldades.

“Transformar a aprendizagem personalizada já é uma realidade com o Aprimora. Ele tem como missão oferecer excelência em Língua Portuguesa e Matemática e faz isso justamente respeitando o ritmo de aluno”, conta.

O Aprimora é um ecossistema adaptativo de aprendizagem para apoiar os professores, engajar estudantes e melhorar os resultados individuais.

AUTONOMIA NA APRENDIZAGEM

Com a junção da tecnologia à metodologia de ensino, o aluno deixa de ser um mero expectador da aula e assume o protagonismo no seu aprendizado.

Afinal, ele passa a ter acesso a recursos das aulas quando quiser e de onde estiver e é ele também que determina seu ritmo de estudo e as mídias com que tem mais facilidade de entendimento e que deseja ter acesso prioritariamente durante o estudo.

O Aprimora é um exemplo de como o ensino adaptativo pode ser aplicado na prática.

 

É importante destacar que as tecnologias adaptativas para a educação tem algumas duas características bastante importantes:

Formas diversas da apresentação do mesmo conteúdo: textos, gráficos, vídeos, áudios. O consumo do conteúdo pode ser feito da forma como o aluno se identifica e aprende melhor.

Trilha de aprendizagem: a tecnologia cria caminhos de acordo com o desempenho de cada aluno. Se ele apresenta dificuldade em determinado assunto, a ferramenta direciona novas formas de abordagem daquele ponto específico até que o aluno esteja pronto para seguir adiante, desta forma o estudante progride conforme o seu desempenho. Aqui cada aluno aprende a sua maneira e o grau de dificuldade cresce conforme ele se sente mais preparado.

“A proposta da aprendizagem adaptativa é justamente atender às necessidades e respeitar a forma de aprender de cada aluno”

 

QUER UM EXEMPLO? 

Com auxílio da inteligência artificial (IA) e big data, é possível identificar as preferências de cada aluno, padrões de compreensão, pontos fortes e fracos de cada aluno. Desta forma, a plataforma pode criar formatos de atividades individualizados de acordo com cada perfil, podendo inclusive incluir os melhores horários de rendimento.

Se um aluno demonstra desempenho superior assistindo vídeos ao invés de ler textos, o software prioriza esse formato. Se a tarde apresenta resultados melhores do que pela manhã, então isso também é considerado. Já se outro estudante se sobressai relacionando a matéria com desafios, o formato prioritário para ele será esse.

 

SUPORTE A GESTORES E EDUCADORES

O suporte oferecido aos gestores das instituições e aos educadores também é outro ponto a ser destacado em favor da aprendizagem adaptativa. 

Com plataformas como o Aprimora, eles conseguem extrair relatórios por turma e por aluno e identificar padrões de melhoria para o sucesso dos estudantes e traçar melhores estratégias de abordagem dos conteúdos.

Sempre que identificam um problema no progresso dos alunos, eles podem corrigir o percurso a tempo garantindo o rendimento e o aprendizado de fato.

 

O FUTURO É ADAPTATIVO

De acordo com a Gartner, empresa americana líder em pesquisa e consultoria, a aprendizagem adaptativa é a tecnologia estratégica com maior impacto na educação em 2020, soma-se a ela outras tendências como inteligência artificial, currículo baseado em habilidades, esportes eletrônicos e tecnologias imersivas como realidade aumentada e virtual.

“A informação corrobora que escolas que oferecem oportunidades reais de aprendizado, saem na frente, entendendo que cada aluno é único. As ferramentas adaptativas podem ser consideradas aliadas para um ensino mais personalizado”, finaliza.

Transforme a aprendizagem adaptativa  em realidade na sua escola.

por | 11 / jun / 20 | Giro TE