fbpx

por | 01 / dez / 20 | Artigos, Giro TE

* Por Melissa Rackel Rosa 

É fato que todos foram afetados nos mais diversos níveis pela pandemia do novo coronavírus e a educação também precisou se adaptar a esta nova realidade. Com alunos fora do espaço físico da escola, as aulas ganharam um novo contexto e o ritmo de aprendizagem de cada um precisou se moldar a essa situação. Entretanto, para uma área específica da educação, o processo tem sido ainda mais desafiador: a educação especial.

 

A PERSONALIZAÇÃO DO ENSINO PARA UMA EDUCAÇÃO IGUALITÁRIA

 

A verdade é que se as crianças e os adolescentes tiveram (e ainda têm) dificuldades de aprender remotamente, então pense em como os estudantes da educação especial e seus familiares estão sendo postos à prova. Com déficits de aprendizagem, deficiências diferentes e necessidades de planos personalizados, o esforço e o trabalho são potencializados.

Assim como os alunos, muitos profissionais também estão se aventurando pela primeira vez nesse formato de ensino. Some-se a falta de habilidade dos pais em reproduzir as atividades e a falta de materiais específicos para o trabalho nas casas e está dado o desafio.

 

NENHUM ALUNO PARA TRÁS: COMO A EDUCAÇÃO ESPECIAL TEM ATUADO?

 

As circunstâncias um tanto caóticas e improvisadas fazem com que pais e profissionais liguem o alerta para o desenvolvimento dessas crianças e adolescentes. As famílias têm se esforçado para executar as atividades propostas pelas instituições, mas alegam que o rendimento não é o mesmo. E é nesse sentido que também se canaliza a preocupação de educadores e profissionais da educação especial: se o afastamento social trouxe algum atraso significativo e se o comportamento de adaptação e socialização retrocedeu.

Alunos da educação especial podem sofrer ainda mais com esse período já que o estímulo à interação é premissa nesse trabalho, portanto é possível que elas retrocedam nesse sentido. Ainda assim, os profissionais seguem dando a assistência possível para que, por meio da ludicidade, os pais possam continuar o trabalho e colaborar para o desenvolvimento dos filhos.

Superado esse momento, o próximo passo que precisa ser dado desde agora é a preparação para recebê-los novamente. Isso inclui investimento em infraestrutura, tecnologias de comunicação, interação e socialização que facilitem a aprendizagem e garantam a retomada qualificada da aprendizagem desses alunos. Como a sua instituição tem se preparado para esse momento?

 

* Melissa Rackel Rosa, coordenadora pedagógica, especialista em informática na educação e robótica educacional.

A Tecnologia Educacional oferece soluções inovadoras que enriquecem o processo de ensino-aprendizagem e transformam a sala de aula em um ambiente estimulante e desafiador.

por | 01 / dez / 20 | Artigos, Giro TE

Educação pós-pandemia: a escola e a tecnologia

Por Edson Oliveira Hecke Santos Vivemos a experiência de tempos confusos, recorrentes em períodos de transição entre as diferentes formas de se viver em sociedade. O ano de 2020 iniciou com um desafio que a educação brasileira apenas ensaiava, mais especificamente nos...