fbpx

por | 11 / dez / 20 | Aprimora, Giro TE

Educadora da rede pública, a  professora Eliana Dorneles compartilha conosco desafios e realizações que tem acumulado em sua trajetória

Natural de Santa da Boa Vista, cidade do interior do Rio Grande do Sul com cerca de 8 mil habitantes, a professora Eliana Dorneles de Freitas começou a lecionar logo após a conclusão do Ensino Médio, para turmas multisseriadas, de 1ª a 5ª série, na zona rural de sua cidade natal. 

“Eu pude fazer magistério, graduação e pós-graduação em serviço. Consegui me formar conciliando o trabalho de professora, mãe e dona de casa. Tem sido um grande desafio para mim, mas ao mesmo tempo tenho tido muitas oportunidades”, conta. A primeira delas veio em 2008, quando se mudou para o município de Santa Maria, onde foi trabalhar na Coordenadoria Regional da Educação à frente de alguns programas voltados para alunos com baixo rendimento. “Para mim foi uma realização, ali eu tive a chance de coordenar um trabalho para crianças que realmente necessitavam de um olhar diferenciado”, relata. A partir dali, Eliana passou pela Secretaria Municipal e Estadual, por coordenadoria, coordenadoria pedagógica de escola e equipe diretiva, mas a paixão e admiração por ensinar foi mais forte e em 2017 retornou às salas de aulas. 

“Eu sempre tive o sonho de ser professora. Me inspirei naquelas professoras amorosas e dedicadas, que me davam sempre palavras de incentivo e ânimo para continuar. Tenho me realizado muito com esse trabalho, em poder focar e colocar em prática tudo que eu aprendi ao longo desses anos. E agora no ano de 2020, o grande desafio eram as tecnologias e poder usá-las em nosso favor e em favor do nosso aluno, para que pudéssemos manter a educação de nossos estudantes por meio do ensino remoto”, conta a professora.

Para que as aulas pudessem continuar durante o isolamento social, o município de Santa Maria adotou o uso de algumas ferramentas para a educação a distância. Uma delas foi a plataforma Aprimora para o ensino de Matemática e Língua Portuguesa, em turmas do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. “Me encantei com a plataforma de imediato porque vi que ela se aproxima muito da realidade do aluno, de como são as atividades que realizamos com os estudantes no dia a dia. Não foi algo totalmente ao contrário do que a gente já vinha realizando, então, como nós não estamos com os alunos no presencial, para dar aquele suporte maior, a plataforma oportunizou que eles pudessem ter autonomia para a realização das atividades”, explica Eliana. 

Assim como os seus colegas de equipe, a professora Eliana participou de treinamentos com o Aprimora, assim que a plataforma foi liberada para a sua escola. Ela conta que na mesma semana começou a utilizar o Aprimora em suas atividades. Para que os alunos se engajassem com o uso da tecnologia e aprendessem a mexer, a educadora gravou vídeos explicando o passo a passo do uso da plataforma e mandava áudios esclarecendo dúvidas. A novidade foi muito bem recebida pelos estudantes e familiares, e ela diz orgulhosa que a maioria dos seus alunos realizaram 100% das atividades propostas. 

“Aqueles que tinham dificuldades eu reagendava as atividades, enviava áudios explicando, e retomava na semana seguinte, ou planejava novas atividades a partir do que a plataforma me mostrava. Se eles estavam tendo dificuldades,  eu entrava em contato com os pais e com as mães e assim eu fui mediando a distância”, explica a rotina da turma de 4º ano da escola em que leciona. Dos 25 alunos que possui, 2 não possuem acesso à internet, para que eles não ficassem de fora, a professora Eliana tirava prints das mesmas atividades que propunha ao restante da turma, e deixava semanalmente as impressões na secretaria da escola para esses alunos retirassem e participassem igualmente das aulas. 

“O Aprimora foi fundamental para a nossa turma nesse período, porque eu pude enxergar realmente o que o meu aluno estava conseguindo ou não e poder mediar. Acredito que esse foi o maior desafio, de estarmos distante de nosso aluno e não sabermos como mediar, como chegar até eles e como eles estavam, quais eram as dificuldades” relata. 

E foi por todo esse empenho e dedicação, que a professora da rede municipal foi contemplada com o Prêmio Professor Destaque Aprimora do mês de novembro. Destinado a professores de Matemática e Língua Portuguesa que fazem a diferença ao desenvolverem estratégias pedagógicas diferenciadas com o uso do Aprimora, a professora Eliana tirou isso de letra, transformando as dificuldades de seus alunos da rede pública em novos aprendizados por meio da tecnologia. “Nós tivemos uma lição de vida esse ano, de que somos capazes e que mesmo a distância nós poderíamos conseguir”, finaliza a professora. 

O Aprimora também pode revolucionar o ensino da sua escola

por | 11 / dez / 20 | Aprimora, Giro TE

Educação pós-pandemia: a escola e a tecnologia

Por Edson Oliveira Hecke Santos Vivemos a experiência de tempos confusos, recorrentes em períodos de transição entre as diferentes formas de se viver em sociedade. O ano de 2020 iniciou com um desafio que a educação brasileira apenas ensaiava, mais especificamente nos...